socio

Muitos empreendedores ao decidirem abrir um negócio ficam na indecisão de abrí-lo sozinho ou com um sócio. Essa é uma escolha que pode garantir o fracasso ou o sucesso do empreendedimento se não for realizada com critério. Muitos negócios encerram as atividades por disputas entre os sócios.

Mas no caso de optar por um sócio, quais as características que devem ser levadas em consideração?

 Autoanálise

Antes de avaliar as qualidades do candidato a sócio é preciso realizar uma autoanálise para ver como você se comporta numa possível sociedade. Pergunte-se o que espera do negócio. Como você o vislumbra daqui 10 ou 20 anos? Como serão dividos os lucros, as despesas e as perdas? Como conseguirá tomar decisões em conjunto? Quais são os seus valores? Você pretende vencer a qualquer custo e a qualquer preço? Você se comunica com facilidade com os outros? Tem disposição para ser office-boy e presidente? Tem necessidade de poder e status? Tem capacidade de administrar o sucesso e o fracasso? Qual será a sua contribuição? E por último, o que espera de um sócio?

Se conseguir responder essas perguntas com honestidade e chegar a conclusão de que ter um sócio é um bom negócio, então é hora de buscar a pessoa que vai caminhar com você rumo ao sucesso.

Mesmos valores

Não espere encontrar o sócio perfeito. Para escolhê-lo é preciso considerar a diversidade de competências e habilidades que cada um tem. Os sócios devem compartilhar os mesmos valores e terem disposição para resolver os problemas dialogando. O importante é que seja alguém que domine uma área que você não domina para se completarem, desta forma, os conflitos serão menores e a parceria será mais construtiva. É fundamental que sejam estabelecidas regras e que os sócios registrem em cartório um documento com as expectativas para o negócio.

Estabeleça no documento como será a participação da família no negócio e de quanto será a retirada mensal de cada um, além de uma possível sucessão por parte dos filhos.

Formando parceria

Encontrar sócios por meio de indicação de pessoas de confiança pode ser uma boa opção. Mas antes da decisão final é necessário marcar conversas, avaliar o conhecimento da pessoa e, principalmente, ter uma boa convivência, afinal você irá passar muito tempo do seu dia com essa pessoa. Uma parceria deve ser escolhida pelo conjunto de qualidades e competências.

O sócio escolhido deve estar alinhado aos objetivos de crescimento da empresa e não apenas nas áreas de atuação cruciais para o empreendimento.

 Comprometimento

Paixão pelo negócio, comprometimento, independência, pensamento analítico e carisma são características fundamentais para quem quer empreender. Se não houver sincronia entre os sócios sobre as ideias e conceitos, o crescimento da empresa será comprometido. Por isso, é fundamental que eles tenham a mesma visão de futuro e estejam no mesmo momento de vida. Esses são fatores cruciais para o sucesso.

 Aprendendo todos os dias

Quem opta por abrir um negócio com um sócio está proporcionando a si mesmo a oportunidade de um aprendizado constante e de respeito às características de cada um. Escolha quem valoriza seus pontos fortes e minimiza os seus pontos fracos, que atenda às necessidades estratégicas do negócio, tenha afinidade com o projeto e com as pessoas envolvidas.

Para que essa parceria não caia por terra, é importante que o sócio escolhido saiba dar e receber feedback sobre os negócios. E que consiga desenvolver pontos importantes para sua vida profissional. Portanto, escolha um sócio que tenha características diferentes das suas para completar suas qualidades.

Honestidade

Tão importante quanto qualquer uma das características anteriores, o negócio deve ser pautado na honestidade e na ética. Afinal, a imagem da sua empresa deve ter credibilidade com os clientes, funcionários e concorrentes.

Ao escolher um sócio para o seu negócio, saiba que a partir desse momento você tem alguém com quem dividir o que  pensa e nada impede que um opine na área do outro, sempre com respeito às diferenças.  Afinal, duas cabeças pensam melhor que uma e o trabalho em equipe é essencial para o sucesso em empreendedorismo.

 

 

 

 

0010062037R-1920x1280

Empresas competentes são formadas por pessoas competentes. Esse princípio é válido para os grandes empreendimentos e, sobretudo, para as pequenas e médias empresas, onde o comprometimento dos colaboradores torna-se fundamental para o crescimento do negócio.

A perda de um funcionário comprometido pode prejudicar sua empresa. Portanto, integre, motive e incentive sua equipe a produzir mais, com mais qualidade e envolvimento. A forma é mais simples do que se imagina.

Equipe competente

Ter pessoas competentes na equipe é fundamental, mas como em todo início de negócio, os salários a serem pagos nem se comparam aos oferecidos por grandes empresas que oferecem muitas vantagens para jovens promissores.

O desafio está lançado e não dá para desistir na hora de captar esses talentos para o seu negócio. O empreendedor brasileiro tem por obrigação ser hiper empolgado com o seu empreendimento. E essa empolgação deve transparecer aos futuros colaboradores. Muitos aceitam ganhar menos em troca de participar do desafio de um projeto novo.

A grande vantagem é que os jovens da Geração Y buscam colocações no mercado de trabalho que tenham significado e sejam verdadeiras. Esse é o perfil das startups e pode ser toda a diferença na hora de contratar alguém talentoso, que verá na oportunidade muito mais que um emprego, mas sim a chance de fazer a diferença.

Competências

Para escolher sua equipe tenha foco nas competências. Elas são o alvo para poder se construir uma cadeia de valores entre a empresa  e os seus clientes. As mudanças mercadológicas impõem às empresas a necessidade de utilizarem critérios técnicos de seleção para poderem atender de forma satisfatória as demandas do mercado. O trabalho em equipe e a administração de forma participativa são necessários para o crescimento, e até mesmo para a sobrevivência dos empreendimentos.

A qualidade de vida das pessoas cresce em paralelo a importância da área de serviços. Os clientes são mais exigentes e um serviço de qualidade faz toda a diferença na hora de escolher a empresa x ou y. Por isso, é fundamental a retenção de talentos humanos. Essa é a maior vantagem competitiva dos negócios. É gente servindo gente. E são necessárias pessoas que atendam aos critérios técnicos e às funções a serem desempenhadas e, principalmente, que se identifiquem com a missão da empresa. Tanto que se diz que hoje quem faz a seleção é o próprio candidato, pois ele escolhe a empresa que quer trabalhar por identificar nela valores que são parecidos com os seus.

Equipe de alta performance

 O que considerar na escolha de um candidato? Para formar uma equipe de alta performance é preciso considerar as características pessoais a serem identificadas nos candidatos, representadas pelo conjunto de conhecimentos técnicos adquiridos através da experiência profissional, estágio ou formação acadêmica, e pelas características comportamentais, que as habilidades de comportamento e relacionamento desejáveis. O candidato a ser escolhido deve estar dentro do perfil da vaga e, principalmente, ter as características que irão completar a equipe já existente na empresa. Afinal, o novo colaborador está chegando para agregar valores numa equipe já formada e não conflitos.

 Treinamento “On the job”

Se escolher pessoas certas para o time da sua empresa é fundamental, também é importante investir em treinamento “on the job”, aqueles que as pessoas aprendem fazendo. Esses treinamentos devem corresponder a 70% da capacitação, 20% devem ser cursos e palestras tanto presenciais quanto virtuais e 10% devem ser distribuídos em ações esportivas, viagens, leituras, trabalhos voluntários dentre outros.

Esse modelo de treinamento “on the job” é o treinamento prática do dia a dia e engloba o fazer junto, substituir em férias, ser designado para projetos, participar em reuniões, estagiar em outras áreas ou unidades, visitar fornecedores ou clientes, dar treinamentos internos, etc.

Quanto aos cursos e palestras, estes podem ser dados por funcionários que tenham participado de algum treinamento externo ou convidar palestrantes de fora.

Criar uma sessão pipoca também é uma das maneiras de promover discussões, perguntas e insights. Os vídeos de empresas especializadas podem ser encontrados no Youtube e abrangem temas como estratégia, gente, marketing, motivação e planejamento. Enfim, descubra a necessidade da sua empresa e escolha o melhor filme.

Além dessas ações, a mais importante é ressaltar a importância de cada pessoa do time e que ela é o principal agente do seu próprio autodesenvolvimento.

Na hora de formar seu time, sonhe grande e atraia gente que quer participar desse sonho. Um sonho que se sonha só é só um sonho. Um sonho que se sonha em conjunto é uma realidade.

 

Comentários desativados

Muito se fala em brainstorming ou tempestade de ideias. Geralmente, esse processo é vinculado aos profissionais de comunicação, mas pode ser utilizado por qualquer um. Afinal, duas cabeças ou mais pensam melhor que uma. Ed Catmull, presidente dos estúdios Pixar, afirma que a criatividade deve estar presente em cada nível da parte artística e técnica […]

Comentários desativados

O mercado está a cada dia mais competitivo. As palavras de ordem para quem quer ter sucesso nos negócios são: inovação e criatividade. Portanto, a utilização da criatividade nos negócios é uma ferramenta essencial para as empresas se destacarem e serem competitivas. Mas o que é a tal criatividade? De maneira simples, a criatividade é […]

Comentários desativados

Se você tem uma ideia na cabeça para começar um negócio, mas não tem capital para iniciar o empreendimento é possível conseguir esse aporte com investidores que apostam em ideias que sejam inovadoras. Mas para conseguir convencer esses investidores de que sua ideia é transformadora não basta ter um excelente plano de negócios, é preciso […]

Comentários desativados

O que você quer para a sua vida uma profissão com carreira estável ou a oportunidade de criar algo novo e fazer a diferença? Responder a essa pergunta nem sempre é fácil. Apesar de sermos um povo criativo, não temos nas instituições de ensino o fomento ao empreendedorismo. Esse fenômeno é novo e recentemente passou […]